Qual a melhor moeda para levar para a Argentina e Chile?

04/08/2017

Com a chegada do inverno inicia o período de alta temporada para os destinos que têm o frio e a neve como sua grande atração turística. A Argentina e o Chile são lugares muito procurados pelos brasileiros nesta estação, seja pela proximidade geográfica, seja pelo câmbio favorável nesses países.

A grande questão entre os viajantes é: Qual moeda é mais vantajosa para se levar? Dólar, euro ou a moeda local? Essa pergunta pode ter muitas respostas, porque depende do perfil de cada viajante. Uns preferem levar a moeda local para não precisarem ter o trabalho de fazer o câmbio durante a viagem. Outros preferem levar o dólar e negociar direto com os estabelecimentos na hora da compra. Alguns se preocupam com o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) cobrado em cada operação de câmbio no brasil, que atualmente está em 1,10%, e preferem levar o Real para fazer o câmbio direto na moeda argentina ou chilena. Não existe um procedimento certo ou errado, mas aquele que se adapta melhor a cada pessoa.

Embora a minha opinião pessoal seja de que o dólar e o euro sempre serão as moedas comercialmente mais interessantes em qualquer país, em alguns momentos específicos, pode ser mais vantajoso levar reais ou pesos. As taxas de câmbio variam todos os dias. Para saber qual é a moeda mais lucrativa a ser levada é necessário pesquisar não somente as casas de câmbio brasileiras, mas também as argentinas e chilenas para ter condições de identificar qual opção fornecerá mais pesos argentinos ou chilenos por cada real, dólar ou Euro trocado.

Colocando a pesquisa em prática

A Vias e Aventuras fez uma busca no Google, selecionou uma casa de câmbio no Rio de Janeiro, em Buenos Aires e em Santiago do Chile e montou uma planilha para lhe ajudar a fazer o cálculo entre as diversas taxas de conversão de moedas, com o objetivo de facilitar a sua escolha. 

Metodologia

A análise foi feita da seguinte forma: Pesquisamos a taxa de câmbio para a venda do dólar, do euro do peso argentino e do peso chileno na Casa Aliança, do Rio de Janeiro. Vale lembrar que a cotação de venda é o valor pelo qual a casa de câmbio venderá a moeda estrangeira para o seu cliente. Foi estabelecido como parâmetro o valor de R$ 1.000,00 e comparou-se o quanto este valor compraria de cada uma dessas moedas pela taxa de câmbio do dia.

Fizemos também a verificação da taxa de câmbio nas cidades de Buenos Aires e Santiago do Chile e comparamos o quanto os dólares, euros e reais trazidos do Brasil comprariam em peso argentino e peso chileno em cada capital.

Primeiro dia 01/08/2017

Em Buenos Aires, a cotação do euro e do dólar permitiu que se adquirissem mais pesos argentinos do que a cotação do real, com uma vantagem de cento e sessenta e sete pesos argentinos para o Euro.

Em Santiago, o dólar e o Euro também compraram mais pesos chilenos que o Real, sendo que no Chile, ter dólares se apresentou um pouquinho mais vantajoso que ter euros.

Segundo dia: 02/08/2017

Do dia 01/08 para o dia 02 não houve alteração na taxa de câmbio  no Rio. Em Santiago e Buenos Aires as mudanças foram muito pequenas 

O dólar e o euro continuam levando vantagem sobre o real brasileiro. A diferença em pesos argentinos entre o dólar e o Euro, daria para comprar um combo no Mc Donald's e ainda sobraria um troco.

Em Santiago, apesar do Euro ter subido três pontos em relação ao dia anterior, o dólar permaneceu mais lucrativo.

Terceiro dia: 03/08/2017

Fonte: Casa Aliança 

Nesse dia, houve uma alteração de um ponto para baixo no dólar e, um ponto para cima no euro.

Não houve mudanças nas taxas em Buenos Aires, mas a flutuação na taxa brasileira, permitiu comprar um pouco mais de dólares que no dia anterior. Ainda assim, o euro continua levando uma pequena vantagem.

Uma pequena queda na cotação do dólar em Santiago, não foi suficiente para retirar o protagonismo da moeda americana na capital chilena. O Real caiu mil pesos chilenos.

Quarto dia: 04/08/2017

No último dia da pesquisa o dólar aumentou dois centavos, enquanto o euro caiu apenas um centavo. Esta alteração é mais significativa para quantias maiores, para o turista comum, elas representam alguns trocados que podem comprar uma cerveja ou um sanduiche a mais, ou a menos, ao longo da viagem.

Câmbio estável em Buenos Aires, a diferença está na  quantidade de dólares ou euros que foi possível levar.

O dólar continua sendo uma opção um pouco melhor que o euro. O real teve uma alta de mil pesos chilenos, suficiente para comprar um copo de refrigerante, ou de água mineral. 

Conclusão

Ao longo dos quatro dias da pesquisa feita entre 01 a 04 de agosto de 2017, o euro e o dólar permitiram comprar mais pesos argentinos e chilenos do que o real, mas a conclusão mais significativa neste período é de que comprar as moedas locais no Brasil não é uma boa ideia. 

A diferença entre a quantia adquirida no Brasil e a que se pode conseguir na Argentina e no Chile é considerável. Por isso, se você achar necessário, leve apenas o suficiente para pagar o transporte entre o aeroporto e o seu hotel, ou para um lanchinho básico na hora do desembarque, se a fome apertar.

Como já foi dito no início, "Não existe um procedimento certo ou errado, mas aquele que se adapta melhor a cada pessoa". É preciso ficar atento à variação das taxas de câmbio para identificar as melhores oportunidades em cada momento. 

A planilha utilizada nessa pesquisa está disponível no botão abaixo para download. Se você identificou algum erro de cálculo nessa publicação, alguma inconsistência na planilha, ou se tem algum método mais simples para fazer esse cálculo, por favor, fale conosco. Compartilhe o seu conhecimento. Nas referências seguem os links dos sites utilizados nessa pesquisa. 

Necessita de algum esclarecimento? fale conosco. a sua dúvida pode ser a dúvida de muitos outros e será um prazer descobrirmos juntos as respostas.  

Marcos Vichi

Referências:

Clique no botão abaixo para baixar a planilha de conversão de moedas estrangeiras