Dicas para não passar frio na Pedra do Sino

25/10/2016

Com 12 Km de extensão, a trilha da Pedra do Sino não apresenta inclinação muito acentuada, mas é considerada difícil porque o tempo médio para percorrê-la varia entre seis e dez horas, dependendo do preparo físico do caminhante e do grupo em que ele estiver inserido.

Esta não é uma trilha adequada para iniciantes. Embora existam exceções, é aconselhável começar por trilhas mais leves para desenvolver o condicionamento físico e, aos poucos, elevar o nível de dificuldade até que o desafio de caminhar por longas horas com uma mochila pesada seja suportado com tranquilidade.

A grande pergunta no momento de preparação é: O que levar para não passar perrengue enquanto eu estiver no meio do mato? Algumas coisas precisam ser levadas em conta.

Frio - A temporada de montanha no Parnaso começa no mês de maio, e o seu ponto alto acontece nos meses de junho e julho, que compreendem as férias escolares e a época mais fria do inverno, em que as temperaturas no alto da montanha podem ficar negativas.

Agasalhos - Não adianta levar somente casacos pesados, porque durante a caminhada o corpo esquenta e a sua utilização provocará desconforto. O método mais adequado para manter o aquecimento durante uma trilha, é combinar agasalhos mais leves, que podem ser colocados ou retirados de acordo com a necessidade. Abaixo falamos de alguns tipos mais utilizados:

A segunda pele é uma vestimenta fina que fica em contato direto com o corpo, e a tecnologia do seu tecido não retém a transpiração mantendo o corpo aquecido e seco, nos ambientes mais frios.

  • Camisas - As fibras sintéticas, como o Dry fit, tac tel, climalite, suplex, nylon, etc. são mais adequadas para as atividades esportivas, porque suas fibras proporcionam alta absorção da umidade, com secagem rápida e adequado equilíbrio térmico. O algodão, quando molhado, demora muito para secar. Quando a pessoa para de caminhar e o corpo esfria, o processo de troca de calor com o meio ambiente se acelera.
  • O Fleece é tipo de flanela, adequada para a utilização em atividade em ambiente natural. É leve, não retém umidade e tem boa compressibilidade, ocupando pouco espaço na mochila. Este tecido possui diversas gramaturas (grossuras) e quanto mais grosso, maior a sua capacidade de aquecimento. O Fleece é considerado uma camada intermediária, que precisa ser combinado com a segunda pele e um outro casaco. Procure sempre uma gramatura um pouco superior ao frio do local que você irá enfrentar.
  • Corta vento - É um casaco mais leve que protege o corpo da ação do vento evitando a queda da temperatura e um eventual risco de hipotermia. Costuma ser fino, leve, ocupa pouco espaço na mochila e pode ser combinado com o fleece, uma camisa e a segunda pele. Será muito útil no topo da Pedra do Sino, onde o vento é constante e forte.
  • Anorak - Serve como proteção para a chuva. Os anoraks impermeáveis impedem a entrada da água, mas não permitem a evaporação da transpiração. Já os anoraks com tecido respirável, impedem a entrada da água, mas permitem que a transpiração evapore, mantendo o corpo seco durante mais tempo. Na questão da impermeabilidade, é preciso verificar o valor da coluna d'água, que define a resistência do tecido à quantidade e a intensidade da chuva. Cada 1mm de coluna d'água corresponde a 1 litro de água de chuva caindo numa superfície de 1 metro quadrado.
  • Calças - A calça bermuda é muito prática, pode ser adaptada para situações de calor ou frio virando bermuda ou calça conforme a necessidade. A sua maior vantagem é o fato de secar rápido, caso fique molhada. A Calça fleece é adequada para a hora de dormir. Uma calça impermeável pode ser útil para proteger de uma eventual chuva, ou compor uma camada externa com a calça bermuda e a fleece, caso o frio aperte muito.
  • Saco de dormir - Fundamental para garantir uma noite de sono quente e tranquila. Para fazer a escolha certa é necessário levar em conta a tabela de temperaturas que indica os níveis de conforto, tolerância e extremo de proteção contra frio que o produto oferece. O site da empresa Trilhas e Rumos, traz a seguinte definição para estes termos:
    • "Conforto: temperatura em que se sentirá bem no saco de dormir sem o uso de roupas pesadas. Tolerância: indica que será necessário estar vestido com o mesmo tipo de agasalho que usaria ao ar livre, nesta temperatura. Extremo: indica que é necessário o uso de agasalhos extras para se sentir ainda confortável na temperatura indicada dentro do saco de dormir" [1].
    • O saco de dormir que eu tenho utilizado na Pedra do Sino, suporta uma variação de temperatura entre +6 graus e 0 grau. Fiz esta escolha pensando tanto na questão do preço, quanto pela possibilidade de utilizá-lo em outras situações de trilhas em lugares menos frios. O ideal é que o saco de dormir seja compacto e não muito pesado, para facilitar o seu transporte.
  • Isolante térmico - Deve ser colocado entre o saco de dormir e o chão, para impedir que a friagem do solo roube o calor do corpo. Os isolantes de EVA são mais baratos, mas devido ao volume, precisam ser carregados fora da mochila. Na hora de comprar, é preciso ficar atento à espessura (mínima de 6 mm). A ausência de odor indica que o material utilizado é de boa qualidade. Os isolantes infláveis são mantas infláveis revestidas de uma espuma térmica que garante o isolamento eficiente. Eles têm a grande vantagem de ocupar pouco espaço na mochila, mas não podem ser confundidos com colchões ou colchonetes infláveis.

O aquecimento das extremidades do corpo é fundamental em uma trilha num lugar frio. Por isso a escolha de meias, luvas e gorros deve ser cuidadosa.

  • Meias - O grande inconveniente das meias de algodão é que elas absorvem a umidade da pele, mas não permitem a sua evaporação rápida, dificultando o aquecimento dos pés e facilitando o aparecimento das bolhas numa caminhada mais longa. Uma boa meia precisa ajustar-se bem aos contornos do pé, para não deslizar ou ficar frouxa. A ausência de costuras aumenta o conforto dos dedos. A combinação das fibras em uma meia ideal para hiking e trekking, mantém os pés secos, porque o suor passará da primeira camada para a segunda, que vai absorvê-lo e deixa-lo evaporar com facilidade. Para completar, outras fibras sintéticas, com alta capacidade de isolamento térmico, ajudam a manter os pés aquecidos, mesmo nas temperaturas mais baixas.
  • Luvas e gorros - Quem mora em lugares mais quentes como o Rio de Janeiro não costuma dar muita atenção à proteção das mãos, da cabeça e das orelhas. Mesmo com o corpo todo agasalhado, quando estas partes do corpo estão desprotegidas o frio incomoda bastante. A escolha das luvas e gorros também seguirá o mesmo esquema de camadas para o aquecimento e deve-se dar preferência ao fleece e aos tecidos semelhantes aos da segunda pele.

Parece muito, mas estes são itens básicos para se proteger do frio na Pedra do Sino, em qualquer época, especialmente no inverno. O investimento inicial pode ser alto, mas se os produtos adquiridos forem de boa qualidade, durarão por muitos anos, e as próximas trilhas poderão ser feitas com pouco, ou nenhum gasto adicional.

Pense bem, pesquise os preços faça bons investimentos e descubra que não existe lugar frio para quem está bem agasalhado. Boa trilha!

Marcos Vichi

Nota:

  • 1. Site trilhas e rumos disponível em http://is.gd/GjjEjt acesso em 22/05/2015 às 22:20

Referências:

  • http://blogdescalada.com/como-escolher-um-fleece/
  • http://www.trekkingbrasil.com/basico-sobre-os-casacos-para-uso-outdoor/
  • http://www.adventurezone.com.br/blog/anorak-corta-vento-softshell-e-agora-2
  • http://www.guepardo.net/blog/?p=2029
  • http://www.trekkingbrasil.com/diferenca-entre-as-calcas-outdoor/
  • http://www.trilhaserumos.com.br/dicas_ler.asp?IdDica=86
  • http://www.trekkingbrasil.com/como-escolher-equipamentos-de-camping-e-trilha/
  • http://www.trilhaserumos.com.br/produtos/produtos_descricao.asp?codigo_produto=167
  • http://blogdescalada.com/como-escolher-um-isolante-termico-para-camping/

Encontre a sua aventura aqui!

Clique no botão abaixo