Destinos para conhecer o Brasil pedalando - Parte 2

30/07/2017

Força, disposição e tranquilidade para percorrer o caminho no próprio tempo e respeitando os limites do corpo são essenciais para uma cicloviagem de sucesso

ilejr/Flickr
ilejr/Flickr

1. Caminho da Luz (MG)

Esta rota de 200 km passa por Minas Gerais quase na fronteira com Espírito Santo e Rio de Janeiro. Ela começa na cidade de Tombos e termina em Alto Caparaó. As vias são, em sua maioria, de estrada de terra, e cortam distritos pequenos e muita natureza. O trajeto todo pode ser percorrido em 4 dias com folga. De Alto Caparaó, é possível subir até o Pico da Bandeira.

2. Estrada Real (MG)

A Estrada Real é uma rota turística que pode ser percorrida de carro, a cavalo, de bicicleta e até a pé. São mais de 1630 km de extensão, nos estados de Minas Gerais (principalmente), São Paulo e Rio de Janeiro. Alguns trechos da Estrada são melhores para o cicloturismo que outros, sendo que o Caminho dos Diamantes e o Caminho Velho têm estradas menores com menos trânsito de carros, o que os torna mais seguros e agradáveis para as duas rodas. A Estrada Real passa por diversos parques nacionais e estaduais, tem dezenas de cachoeiras, cidades charmosas, boa gastronomia, sítios arqueológicos e não faltam opções de hospedagem para todos os orçamentos+ Roteiro: cidades históricas charmosas no Caminho Velho da Estrada Real (Mathias Fingermann/Flickr)

Glauco Umbelino/Flickr
Glauco Umbelino/Flickr

3. Serra da Mantiqueira de Monte Verde (MG) a Mauá (RJ)

O caminho pelas estradas de terra do sul de Minas até o interior do Rio de Janeiro passando por Campos do Jordão em São Paulo percorre uma parte da imponente Serra da Mantiqueira. O caminho é cheio de altos e baixos e pode ser percorrido em 8 a 10 dias de viagem, dependendo das condições físicas dos cicloturistas (e da pressa). Cidadezinhas pequenas, cachoeiras, o Pico dos Maris e o impressionante Parque Nacional do Itatiaia são algumas das belezas do caminho, que termina nas cachoeiras de Mauá.

Mathias Fingermann/Flickr
Mathias Fingermann/Flickr

4. Trans Mantiqueira, travessia pela Serra da Mantiqueira (MG)

Este é um caminho mais curto que também passa pela Mantiqueira. A travessia tem 100 km, dura dois dias e se restringe aos municípios de Baependi, Caxambu, Aiuruoca e Vale do Matutu. São trilhas de mata fechada, estradas de terra e belas paisagens. 

Denise Mayumi/Flickr
Denise Mayumi/Flickr

5. Serra do Espinhaço (MG e BA)

A Serra do Espinhaço costumava ser uma cordilheira há milhões de anos. Com a ação do tempo, ela já não é mais uma cadeia de montanhas, mas ainda é uma formação rochosa imponente e comprida, que vai do centro de Minas Gerais até o sertão da Bahia. A travessia começa pelo Caminho dos Diamantes, da Estrada Real, e depois continua pelos Parques Estaduais de Grão Mogol e Serra Nova até cruzar a fronteira com a Bahia e seguir caatinga adentro até a Chapada Diamantina. É uma travessia dura, longa (quase 2 mil km!) e que passa por três ecossistemas brasileiros: Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga. 

Erika Morais/Flickr
Erika Morais/Flickr

6. Caminhos do Imperador (AL)

Esta cicloviagem refaz o caminho percorrido pelo Imperador Dom Pedro II em 1859 pelo estado do Alagoas. A rota vai subindo o Rio São Francisco partindo de Penedo até Piranhas. O Imperador, na época, foi até Delmiro Gouveia e Paulo Afonso, mas essas duas cidades não existem mais devido às hidrelétricas que inundaram a região, então o ponto final dos ciclistas é mesmo em Piranhas (foto). De lá, é possível fazer uma trilha até a Grota de Angicos, onde Lampião, Maria Bonita e seu bando foram emboscados e mortos depois de 30 anos de cangaço.

7. Arqueologia do Sertão (PI)

O Parque Nacional da Serra da Capivara abriga diversas pinturas pré-históricas e achados arqueológicos impressionantes! Sua importância histórica se junta à beleza da região, que está coberta por vegetação agreste de flores coloridas da caatinga, tem formações geológicas impressionantes e cânions profundos. Seu tempo de permanência na região vai depender da sua disposição. Não há apenas um caminho - para conhecer tudo, será preciso uma semana pelo menos. Há algumas boas estradas asfaltadas e outras de terra e é possível hospedar-se em alguns povoados no caminho. Leve grandes contêineres de água, pois o parque é grande, o calor é intenso e há poucos pontos de abastecimento

Como começar a viajar de bicicleta

Se você é sedentário e não está acostumado a pedalar, é preciso ir devagar com o próprio corpo. Recomenda-se treinar pedalando na própria cidade e fazer viagens mais curtas para experimentar a bicicleta com o peso extra da bagagem antes de partir para uma expedição de vários dias.

Se for totalmente iniciante, conte com a ajuda de outros mais experientes para fazer a viagem com você. O Clube de Cicloturismo do Brasil é um bom jeito de começar. No site, é possível se conectar com outros cicloviajantes, fazer parte de uma expedição na sua região e obter respostas a todas as dúvidas que surgirem.

Outro cuidado essencial é no treinamento de primeiros socorros, de reparo da bicicleta e estudo detalhado do roteiro que irá percorrer, para evitar surpresas e aproveitar ao máximo o tempo na estrada. Preparado? Então, bora pedalar por esse Brasil!

Por Lívia Aguiar - Edição: Ludmilla Balduino

Publicado originalmente em: http://abr.ai/2oz1Cpg - 17 jun 2016, 20h02

Título original: 14 cicloviagens para conhecer o Brasil de bicicleta